quarta-feira, 18 de julho de 2012

Os Dez Mandamentos da Saúde Sexual Masculina


1- Usar a camisinha em toda e qualquer relação sexual;
2- Usar a camisinha antes de qualquer penetração
3- Lavar o pênis diariamente;
4- Lavar o pênis após as relações sexuais;
5- No banho, puxar o prepúcio para trás e limpar completamente a região que fica coberta e não deixar o esmegma se acumular
6- Enxugar bem depois de lavar, evitando assaduras e inflamações
7- Não usar pomadas ou cremes sem orientação médica
8- Procurar um médico se notar ferimentos, ardor, bolhas, corrimento uretal ao urinar
9- Avisar a parceira caso ela tenha ferimentos, ardor, bolhas, corrimento uretal ao urinar, para procurar médico.
10- Nestas condições acima, não manter relações sexuais

Como o homem dá tanto valor ao seu pênis, precisa aprender a cuidar dele. Estas dicas são dadas por especialistas e orientadas pelo Ministério da Saúde Brasileiro. Fique atento e cuide-se!

O que é menstruação?

A menstruação é um fenômeno comum a todas as mulheres saudáveis. Símbolo da feminidade, sua chegada é considerada um rito de passagem: a Menarca (primeira menstruação) marca a transição da menina para amocinha, que mais tarde se tornará uma mulher, capaz de gerar, carregar e dar vida.

A menstruação é um fenômeno natural: sua presença demonstra a normalidade do funcionamento e a saúde do corpo feminino, e sua ausência, quando não é indicativa de uma gestação, é geralmente associada a alguma patologia. Porém, a menstruação é um fenômeno controversial: ao mesmo tempo em que indica saúde e demonstra a capacidade de dar a vida, é também um fenômeno considerado desagradável, nojento, diminuidor, quase um castigo imposto às muheres pelo simples fato de serem mulheres.

A menstruação permanece, até hoje, um evento da esfera privada, que gera incômodo e do qual não se fala em público: um grande tabú. Porém, a jovem Diana Fabiánová tentou quebrar um pouco desse tabú, com seu maravilhoso documentário La Luna en Ti:

"Dor, enxaqueca, depressão... soam mais como uma doença do que como um processo natural, normal. Se estou sadia, porque dóem tanto meus períodos? Há algo errado com meu corpo?"
É com essa indagação que a jovem percorre o mundo, entrevistando profissionais de diversas áreas, para buscar uma solução ao seu dilema menstrual.

O que é a Menstruação?

A menstruação é o início do ciclo sexual feminino. Dura em média de 3 a 7 dias, e é caracterizada por uma perda de sangue por via vaginal. Esse sangue provém do endométrio, que é uma camada de tecido vascularizado, que vai engrossando e recobrindo o interior do útero ao longo do ciclo sexual, e serve para acomodar o óvulo fecundado. Quando a fecundação não ocorre, o útero se contrai para soltar excesso de tecido do endométrio.

De acordo com o documentário, em média 80% das mulheres sofrem de incomodos fisicos e psicológicos associados com a menstruação. O período menstrual está associado com uma média de 20 doenças, entre elas a síndrome de TPM, com seus 150 sintomas associados. O resultado disso é que a menstruação está diretamente associada com milhões de mulheres infelizes ao redor do mundo. Porém, um estranho silêncio parece rodear o assunto.
Durante o ciclo sexual, que dura em média 28 dias, o corpo da mulher passa por diversas transformações, inclusive um aumento de temperatura corporal de quase 1°C no momento da ovulação, e grandes alterações nos níveis hormonais.


Fonte: adeledoua.blogspot.com

A menstruação e nossa cultura - uma visão científica e humana...


Uma visão pessimista culturalmente reforçada

"Ao londo da história americana, se podem documentar alguns casos em que sociólogos foram recrutados para provar que as mulheres são menos eficientes em seu local de trabalho quando estão menstruadas.

Esses estudos tendem a surgir em determinados momentos da história, em que há grande preocupação pelo incremento do papel das mulheres na vida pública. Por exemplo: no início, quando as mulheres estavam lutando para ter acesso à educação superior e pelo direito a frequentar a universidade, uma série de estudos assinalava que a menstruação as tornava estudantes piores, e que haviam indícios de que não seriam capazes de manejar os rigores da vida intelectual, por causa de seus periodos.

Então, um pouco mais tarde, durante a segunda guerra mundial, o governo americano necessitavaincorporar as mulheres ao trabalho. Nesse momento, apareceram os estudos que indicavam que as mulheres eram trabalhadoras muito capacitadas, apesar da menstruação. Após a guerra, quando o governo queria que as mulheres voltassem aos lares para criar seus filhos, e devolvessem os trabalhos aos homens, surgiram uma infinidade de novos estudos que apontavam que a menstruação tornava a mulher incapacitada para o trabalho, e que seu lugar era em casa, cuidando do marido e dos filhos.
Quando olhamos deste ponto de vista, não cabe dúvida de que há razões políticas para que a menstruação seja analizada, questionada e exposta dessa maneira ante a opinião pública."
Karen Houppert, jornalista e autora

Uma alienação coletiva

"Se algumas coisas são sagradas, se devem haver regras nesta vida, sempre me pareceu que o lugar por onde se deve começar é pelo corpo.
Se o corpo não é sagrado, então pode esquecer o resto: já não haveria nenhum tipo de cultura!
Então a mesma potência do sangue feminino que em outros tempos servia para conectar a mulher com o sagrado é, hoje, a fonte de seu isolamento e da perda do seu poder.
Manter as mulheres alheias à compreensão da força da menstruação, e do poder de fraternidade que ser mulher pode conferir é a maior, mais profunda e mais arraigada forma de impedir as mulheres de serem conscientes de seu próprio poder. E está vinculado com todo o resto, com o que nos mantém afastados de nosso potencial como seres humanos."
Chris Knight, Catedratico de Antropologia, universidade de East London

Inovações ?

Nos anos 70, com o movimento feminista, surgiu uma forte tendência adesbiologizar o corpo femino. A posição da mulher na sociedade até então era reforçada por uma crença essencial de que cuidar da família e dos filhos fazia parte de sua condição biológica natural. O movimento feminista, em contrapartida, pregava que "a biologia não é um destino".
A pílula anticoncepcional surgiu então como a pílula da emancipação feminina de sua condição biológica primordial, e como solução para "ajustar" o corpo feminino a um funcionamento "racional" e a um mundo de trabalho adaptado exclusivamente à necessidades masculinas.
Hoje, já é possível "reprogramar" o corpo feminino para nunca menstruar, equiparando assim quase completamente o corpo feminino ao masculino. Quem nos apresenta esta inovação no documentário é o Dr Elismar Coutinho, catedrático da Universidade Federal da Bahia, que considera a menstruação uma "hemorragia desnecessária", um aborto de um óvulo, uma "coisa do demônio", e desenvolveu um implante que promete cortar a menstruação de vez, por até um ano.
.
Escravos da medicação
"Como a ciência controla a dor da menstruação? Pois com analgésicos. Como trata um ciclo irrregular? Com anticoncepcional; assim ele dura 28 dias. Trata-se de uma falsa menstruação, uma menstruação de mentira, fictícia, mas se você quer que ela venha a cada 28 dias, por que você gosta que seja assim, pois basta tomar a pílula que será a cada 28 dias.
Se você está saudável e está bem, porque transformar isso em outra coisa, de forma artificial, se submetendo a umtratamento hormonal que pode, sim, vir a dar problemasrealmente? "
Victoria Agudo, Ginecóloga

Uma Indústria reforçadora

Alguns números:


• A industria da higiene feminina cresce cerca de 2.000 milhões por ano.
• Uma mulher usa em média 10.000 absorventes ao longo de sua vida.
• A cada dia são jogados no lixo cerca de 3 milhões de absorventes, que terminam nos rios e oceanos.

Fatos: O absorvente é prejudicial para a saúde, pois, além de absorver o sangue, absorve todos os fluidos da região, alterando o equilíbrio natural da vagina, e tornando as mulheres mais sucetíveis a qualquer tipo de infecção, inclisive a cândidíase. O absovente retém o fluxo, o que não é bom. Deve-se deixar o sangue fluir. O coletor menstrual, ou Moon Cup, é uma alternativa ecosustentável ao absorvente.


Fonte: adeledoua.blogspot.com

Mulher- Diminua os sintomas da TPM


O que eu posso fazer para aliviar os sintomas da menstruação sem ceder aos remédios?

• Ter consciência do próprio corpo e de seus ciclos. Conhecer o seu corpo e os seus ciclos ajuda a compreender a menstruação e torná-la parte da realidade do feminino.
• Ter consciência do próprio útero. Diversos métodos permitem uma melhor consciência corporal, e algumas atividades, como a Dança do Ventre, são especificamente voltadas para a conscientização desta parte do corpo feminino.

• Manter-se aquecida. O calor diminui a sensação de dor. Bolsas de àgua quente são bem-vindas.
• Banhos quentes e massagens.
• Masturbação. A masturbação permite uma liberação do sangue acumulado na região pélvica, oferecendo alívio para a dor. Também produz Ocitocina, que é o hormônio que permite as contrações do útero, facilitando assim seu esvaziamento.

Fonte: adeledoua.blogspot.com

Nota e Comentário:
A Massagem Tântrica alivia tantos os sintomas da TPM, quanto contribui para regullarizar o ciclo menstrual (uma das grandes reclamaçãoes da mulherada. Se voce que é mulher não está grávida e nem entrou na menopausa ainda, ter atraso na menstruação é anormal. A Massagem Tântrica funciona como um “repositor hormonal” em casos de atrasos e adiantamentos da mensrtuação. Junto com uma alimentação mais saudável que pode ser indicada pela Terapeuta Tântrica, sua vida com toda certeza só vai melhorar. A Massagem Tântrica também auxilia nesta consciência do próprio corpo e da energia feminina que vibra em ti. Experimente uma sessão! Se precisar, pode me procurar. (Chandra Veeresha)

A Menstruação e a Lua- Uma visão mística


Autor: José Laércio do Egito


" Embora a ciência oficial não reconheça, nem por isso deixa de existir uma forte ligação entre a Lua e a mulher, a qual deixou de sentir a interação entre a sua menstruação e as fases da Lua, como resultado de um ardil estabelecido contra o feminino. Hoje as mulheres vivem repletas de queixas orgânicas, psíquicas preocupantes, e para se curar de inúmeros distúrbios não será por meio do uso apenas de remédios, bem mais que isso ela precisa reintegrar-se com a natureza em geral e com a Lua em especial.
Não se pode negar que a Lua exerce uma ação muito grande sobre vários elementos da terra. Não é somente sobre o mar, produzindo marés. Existe o chamado princípio físico da capilaridade que controla o fluxo líquido em tubos capilares. Tudo o que depende de irrigação capilar, sofre influencia da Lua, pois ela não tem ação somente sobre a macro-maré (oceano), mas também nas micro-marés (fluxos capilares).
O mecanismo que faz com que a seiva de um vegetal flua para cima é regido pelo principio da capilaridade. É por isso que a Lua interfere tanto na terra. Se não houvesse o efeito da Lua, o mecanismo de capilaridade, de fluxo de seiva seria totalmente diferente e com certeza o mundo vegetal seria diferente, composto por outro tipo de flora; consequentemente tudo aquilo que depende das formas vegetais conhecidas seriam influenciadas. Sem a Lua não haveria maré, e sem maré o ritmo do vento seria diferente, assim toda a vida manifesta biologicamente na terra seria drasticamente afetada. A menstruação é um processo que envolve vasos capilares (micro artérias e veias), portanto sujeita aos princípios físicos que regem a capilaridade. Naturalmente a gravidade lunar interfere nesse processo do qual a menstruação tem a ver diretamente. Essa é uma explicação física, mas há outros processos em nível de energia que nesta palestra declinamos de descrever.

Na verdade o organismo produz hormônios que agem sobre a circulação genital, em especial a ovariana e uterina; agem sobre a micro circulação genital e disso resulta um conflito muito grande, por um lado a substancia química provocando, por exemplo, uma dilatação, enquanto por outro a Lua provocando uma vaso constrição. É bem diferente quando as duas ações estão em sincronia.
Diante do que escrevemos; a mulher deve estabelecer uma sincronização do seu organismo com as fases da Lua. Para isso há vários meios, talvez o mais simples seja o estabelecimento de um diálogo constante com a Lua, falar com ela, vê-la com carinho, admira-la; cante canções que falam do luar; escute música relacionada, permaneça algum tempo exposta a sua luz. Converse com ela, aja como se ela fosse sua confidente. Na verdade talvez essa comunicação não ocorra como algo objetivo, mas o propósito é condicionar a mente a interagir de acordo com a fase da Lua. Nenhum aparelho pode registrar que um diálogo seja assim estabelecido, mas indubitavelmente a mente começa a atuar de conformidade com o rito lunar. Mesmo que o mecanismo de atuação seja imaginativo, seja um processo de condicionamento mental, não faz diferença, não importa se se trata de uma ocorrência objetiva, pois o que realmente interessa que seja efetiva, mesmo que se trate de algo se é algo objetivo, ou mesmo sugestivo, ocorre. O que é significativo é a ocorrência de um condicionamento mental atuante.
Na fase crescente, procure imaginar seu útero aumentando suavemente de volume, sua menstruação ocorrendo na fase da Lua Cheia, que independentemente do processo que determine isso a mente que comanda as funções orgânicas, o fluxo menstrual vai se regularizando progressivamente. Quando a imagem da Lua for diminuindo, visualize o útero também diminuindo.

Por certo que a pessoa com essa prática não vai sentir o efeito nos primeiros meses; a dissintonia que existe na maioria das mulheres é um processo demorado de ser solucionado, pois precisa ser quebrado aquilo que por anos e anos foi sendo estabelecido. Romper com um processo “cristalizado” não acontece rapidamente. Mas, com a persistência o efeito será notável; chegará o momento em que o organismo estará plenamente sincronizado com as fases da lua.
Assim como na crescente a imagem lunar vai se ampliando, o mesmo também irá ocorrendo com o endométrio, para iniciar o processo menstrual nos dias da Lua Nova. Ver a Lua como se ela fosse se esvaziando – minguando – e o mesmo ocorrendo em seu organismo, que algo está se exaurindo dele (energia espúria). Esse processo necessita tempo, mas após poucos anos seu ciclo estará totalmente em sincronia com a fase da lua, por certo a menstruação ocorrerá na lua cheia, sua saúde ginecológica será ótima e a menopausa sem problemas. No passado, em especial nas culturas nativas, a menstruação era uma atividade fisiológica com ciclo exato de 28 dias (ciclo lunar) e a menstruação ocorria precisamente na Lua Nova. Na medida em que a mulher perdeu o vinculo com a Lua, a sua menstruação se tornou aleatória, irregular em freqüência em duração, e isso é causa de muitos distúrbios ginecológicos, e de outros sistemas orgânicos, em especial no campo psíquico.

Não estamos afirmando, mas também não estamos negando, que esse processo de sintonia seja determinado fisicamente por alguma força física da Lua. Para as pessoas comuns, é mais fácil aceitar que seja uma decorrência de um condicionamento puramente mental. Não se pode negar que o mental pode facilmente ser condicionado, o organismo tem os chamados reflexos condicionados; muitas funções podem ser condicionadas, e essa interação entre a mulher e a Lua também o pode ser. Certos exercícios podem atuar como efetivadores de reflexos orgânicos, e no caso em estudo, regularizando o ciclo menstrual e, consequentemente, corrigindo muitos distúrbios.
Entre as mulheres vem sendo desenvolvida uma repulsa tão grande à menstruação, que muitas estão provocando através se hormônios uma amenorréia (falta de menstruação). O resultado é previsível, elas pensam que ficam livres do incômodo físico, na verdade isso acontece, porém a um altíssimo custo. Elas ignoram que com essa prática vão se tornando um “poço” de problemas orgânicos, de distúrbios cada vez mais sérios, em especial na área mental, um processo crescente de neurotização ou o que é pior de cancerização.
A Lua não atua sem o Sol, há necessidade de plena interação entre esses dois astros, de igual forma a mulher não atua plenamente sem o homem. Masculino e feminino são polaridades de uma mesma condição. Na união das polaridades está o Infinito, na verdadeira união entre o masculino e o feminino está o equilíbrio infinito.
Há muitos outros exercícios para a regularização da menstruação. Há outros complementares, e até mesmo básicos para o restabelecimento da interação entre a mulher e a natureza.
Avante, tenham coragem, invistam no processo de sua libertação, reconquistem o poder feminino que lhe usurparam. Você, minha amiga, lembre-se, é representante da Mãe Natureza.
Os lenhadores sempre afirmaram que a madeira cortada em período de lua cheia facilmente era atacada por insetos, por isso para a obtenção de madeira resistente eles só abatiam arvores em “noite escura” – período de lua nova. Os botânicos diziam que isso não tinha fundamente, que era superstição apenas, mesmo que a pratica mostrasse o inverso. Depois foi a própria ciência quem descobriu a razão. No período de lua cheia os capilares que conduzem a seiva se dilatam e assim muitos alcalóides podem ascender pelo caule. Quando a arvore é derrubada nessa fase há mais desses alcalóide e consequentemente mais alimento para insetos, tais como o cupim, por exemplo. Assim mais facilmente a madeira é preferida pelos insetos devoradores."

Obs: Minha amiga Rose Ponce postou esta mensagem na comunidade "Feminino Sgrado" no facebook e simplesmente amei. Creio que este tipo de mensagem deve alcançar o maior número o possível de mulheres e de homens também...
Namastê!

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Curso de Tantra para Mulheres- 18 e 19 de Agosto

Om Gauri Namah

Aquela maratona tântrica feminina com a qual me comprometo todos os anos (desde 2006), está de volta. Teremos então dois Cursos de Tantra para Mulheres, um no dia 18 de Agosto e outro no dia 19 de Agosto. Voce pode participar de um somente, ou dos dois, se quiser.
Quer saber um pouco mais sobre esta maratona tântrica feminina?

18/08 - Shakti A DEUSA INTERIOR
Horário: 13 às 18 hs.


Objetivo : Conexão com a Deusa Interna por meio de uma relação profunda, devocional e amorosa com as Deusas da Índia.
Para quem se direciona : Para mulheres que desejam recuperar sua feminilidade, doçura, amorosidade e demais aspectos da energia feminina . De uma forma ritualística, este curso permite que a mulher crie um vínculo energético com as deusas mais conhecidas e adoradas da Índia, descobrindo e resgatando em si mesma, aspectos de cada uma delas como: Amorosidade, Intuição, Liberdade, Beleza, Fertilidade. Sensualidade, Brilho, Carisma e Capacidade para vencer os medos e os desafios mais difíceis. Trabalharemos aspectos das deusas: Parvati, Durga, Kali, Lakshimi e Saraswati, resgatando a força e o poder de cada uma delas em cada mulher/deusa que estiver presente.

19-08 - ARTE SENSUAL TÂNTRICA
Horário:09 às 15 hs.

O objetivo deste curso é oferecer às mulheres, um arsenal de ferramentas milenares que estimulam a união sexual de uma forma fluídica, prazerosa e harmônica, quebrando hábitos e rotinas.
O curso é direcionado para mulheres, mas nele, ensinamos também algumas técnicas que ao serem praticadas com o parceiro, prolongarão ainda mais o prazer à dois e o saborear de cada momento. Tem muitas técnicas secretas (técnicas totalmente desconhecidas da sociedade).

"Quando o homem compreende que a mulher deve ser vista e reverenciada como uma Deusa, ele se eleva e desperta em si a energia Shakti; a própria energia feminina. E quando uma mulher compreende o seu papel de ´´Geradora da Vida´´ e ´´Iniciadora do Amor´´, ela também se eleva e leva consigo o seu parceiro. É por isso que o papel da mulher é tão importante para o Planeta e sua missão, tão grandiosa, SEGUNDO O TANTRA."

Investimento de cada curso: R$143,00 (reserva até dez dias antes sai a R$125,00)-
se participar dos dois cursos pagará somente R$ 200,00 (o pacote- com reserva até dez dias antecipados)
local: Templo da Lua/ Mogi das Cruzes9 grande SP)
facilitadora: sacerdotisa Chandra Veeresha
Informações e Reservas: (11) 3427-3659

Vos convido e vos abençoo! Hrim Srim Klim Parameshwarí Swahá (Salve o poder e a força da Energia Feminina)
Chandra Veeresha.

sábado, 7 de julho de 2012

Maha Kali



“Ela é a própria luz e transcendente. Emanando de Seu corpo estão milhares de raios, dois mil, cem mil, dez milhões, cem milhões; não é possível contar seus grandes números. É por Ela e através Dela que todas as coisas móveis e imóveis brilham. É pela luz desta Devî (Deusa) que todas as coisas se tornam manifestas.” (Bhairava Yamala)

Comentário:

Para um Kaula Tantra é mesmo assim...
Kali Kali Maha Kali Kalike

Ela nos protege de todo o mal criado pela mente humana. Prptege-nos de nossos próprios males, inclusive (ódio, ira, inveja, temor....) Um kula Tantra sabe que quanto mais puros forem seus sentimentos, mais a Deusa estará com ele, porque ela é justa sempre. Ao passo que o Kaula nunca pede nada, quando sabe que seu coração não está limpo, do contrário tudo pode a ele, retornar. Uma vez mais, Kali é sempre justa!

(Chandra Veeresha)
Kali Kali Maha Kali Kalike...

quarta-feira, 4 de julho de 2012

Curso Vivencial de Tantra/ Sexualidade Sagrada

Esta é uma vivência totalmente prática e em Grupo. No momento restam apenas 3 vagas masculinas e 3 vagas femininas. Então, aproveite esta oportunidade de conhecer a Plenitude através do olhar do "outro", do toque, do sentir...
Lembre-se que Tantra é Vivência pura. Informações e Inscrições somente por telefone: (11) 3427-3659
local do evento: Mogi das Cruzes/SP Templo da Lua Centro de Terapia Integrada

O Amor e o Medo


"Voce saberá se alguém lhe ama se quando frente a frente ainda olharem olhos nos olhos. Os olhos nunca mentem. Se eles não se encontrarem, ainda que as palavras sejam doces e os gestos aparentemente sinceros, desconfie que algo entre voces não está bem. Só há um motivo para desviar o olhar, em qualquer situação cara a cara: O medo!. E onde há medo, não pode existir amor"

(Chandra Veeresha)