quarta-feira, 1 de abril de 2015

Poema de Shiva para Kali

Shiva se prosterna diante de Seus pés tingidos de vermelho.
Poema do shakta indiano Sadhaka Kamalakanta (aprox. 1769- Poema para Kali

Ó Kali! Desta vez eu vou Te devorar...
Por isso eu te interrogo, ó Kali,
ó Kali eternamente feliz,
encantadora do coração do poderoso Mahakala Shiva.
Tu danças sozinha.
E cantas sozinha, batendo palmas.
Ó Mãe, Tu és a primeira causa,
a Eterna, sob a forma do Vazio,
levando a Lua em sua testa.
Quando o universo não existia,
onde encontrastes Teu colar de cabeças humanas decepadas?
Apenas Tu és o poder de movimento em tudo,
nós somos apenas instrumentos em tuas mãos.
Nós nos movemos quando Tu nos fazes mover,
falamos quanto Tu nos fazes falar.
Mas o inquieto Kamalakanta gentilmente Te provoca, dizendo:
"Mãe, ó Destruidora de tudo, segurando sua espada,
agora devorastes tanto minha virtude quando meu vício".
Se eu morrer repetindo: "Vitória para Kali, vitória para Kali!" [jai Kali, jai Kali],
certamente atingirei o estado de Shiva.
Então, para que serve ir até o rio Benares?
As formas de minha Mãe Kali são infinitas,